Michelin vence em Le Mans com pneus desenvolvidos de forma virtual

Pneus de resistência concebidos e desenvolvidos exclusivamente no simulador

Depois de ter passado boa parte da clássica corrida de 24 horas no extremo mais apetecido do pelotão, o Toyota GR010 Hybrid nº 8, de Sébastien Buemi, Brendon Hartley e Ryo Hirakawa, conquistou a quinta vitória consecutiva nas 24 Horas de Le Mans para a equipa Toyota Gazoo Racing. 

autonews.pt @ 15-6-2022 13:06:00

O segundo classificado foi um outro carro da formação japonesa, o Toyota nº 7 pilotado por Mike Conway, Kamui Kobayashi e José María López, que terminou na frente do Glickenhaus 007 com o nº 709, tripulado por Ryan Briscoe, Richard Westbrook e Franck Mailleux. O Toyota vencedor estabeleceu um novo recorde da distância para a recém-introduzida classe Hypercar, ao completar 380 voltas ao circuito de 13,626 quilómetros, para um total de 5178 quilómetros percorridos.

“Apesar do calor extremo, os nossos pneus deram ainda mais provas da sua performance e da sua consistência em Le Mans este fim-de-semana”, declara Pierre Alves, diretor do Programa de Corridas de Resistência da Michelin. “Após as viagens, no início da temporada, a Sebring e a Spa-Francorchamps, estávamos ansiosos por comprovar a performance os nossos pneus na corrida mais exigente do Campeonato do Mundo de Resistência da FIA. Paralelamente à nossa participação no FIA WEC 2022, há que recordar que a Michelin também está a preparar a chegada de novos parceiros na classe de topo Hypercar da disciplina, a partir de 2023, sem esquecer a iminente estreia em corrida do novo Peugeot Sport 9X8, nas 6 horas de Monza, dentro de menos de um mês”.


As 24 Horas de Le Mans são não só a prova mais longa larga do Campeonato do Mundo de Resistência, mas, também, a corrida em que são alcançadas as mais elevadas velocidades médias: o Toyota GR10 Hybrid, vencedor este ano, registou uma média próxima dos 215 km/h. O Circuito de La Sarthe possui 13,626 quilómetros de extensão, e os pilotos percorrem mais de nove desses quilómetros com o acelerador a fundo. Para mais, o facto de terem estado presentes 62 carros na grelha de partida de pista reflete a dificuldade que pode ser circular no meio do omnipresente tráfego, a exigir vigilância constante por dos pilotos das quatro diferentes classes em compita.

As condiciones acabaram por revelar-se ideais para avaliar as características e as qualidades dos pneus MICHELIN, dado que os pilotos, em particular este ano, procuraram os limites dos mesmos para obter a máxima performance desde o arranque até à amostragem da bandeira de xadrez.

A medida que a corrida progredia, as especificações dos pneus selecionados evoluíam em função da temperatura da pista. Os Hypercars alinharam para a partida com o composto médio, antes de mudarem para a opção “macio para tempo quente” durante as horas de escuridão. Os participantes na classe LM GTE também privilegiaram pneu “macio para tempo quente” no princípio da prova, que trocaram pela alternativa “tempo frio” desde a chegada da noite até meio da manhã de domingo.

A consistência de todas estas variantes proporcionou aos pilotos e equipas parceiros da Michelin a confiança de que necessitavam para a exigente corrida francesa, enquanto que a assessoria e os serviços oferecidos pelos técnicos do fabricante de pneus provaram ser uma ajuda inestimável para estabelecer as mais efetivas estratégias de corrida.

autonews.pt @ 15-6-2022 13:06:00

Galeria de fotos


Clique aqui para ver mais sobre: Desporto, Formula 1, Ralis, Pista, TT