Uma mão cheia de vencedores no emblemático Rali da Bairrada

Com alguns acidentes espetaculares pelo meio

Os participantes Vítor Pascoal (RGT), André Cabeças (Ralis Centro), Luís Mota (Clássicos), Pedro Silva (Kumho 1) e Viana Martins (Kumho 2), foram os vencedores da segunda edição do Rali da Bairrada, prova inaugural do Campeonato Centro de Ralis

autonews.pt @ 1-6-2021 14:42:55

O dia de aniversário é para ser vivido em família e rodeado de amigos. Mas em dia de aniversário Vítor Pascoal recusou-se a ficar em casa, mas teve o cuidado de viajar até Vagos com familiares e amigos para alinhar no já emblemático Rali da Bairrada. Um dia especial para o piloto de Baião a residir em Amarante que, em pleno aniversário, recebeu os tradicionais cânticos de “parabéns a você” e respectivas salvas de palmas, cabendo-lhe distribuir sorrisos pelo triunfo absoluto e classe RGT na prova do Clube Automóvel do Centro, com o tempo total de 34m14,7s.

“Empurrado” pelo incentivo dos elementos da equipa, familiares e amigos, Vítor Pascoal, navegado por Ricardo Faria, conduziu o Porsche 911 GT3 Cup ao topo da classificação, iniciado a competição a vencer a primeira passagem por Boco, mas a entregar logo de seguida o comando a Miguel Campos e Paulo Lopes, em Porsche 9971 GT3 nas quatro especiais seguintes.


À entrada para a segunda passagem por Vagos/ZIV, derradeiro tira-teimas do Rali da Bairrada, apoiado pela Câmara Municipal de Vagos e promovido pela Promolafões, Vítor Pascoal encontrava-se a 1,9 segundos para o piloto de Famalicão, altura em que “puxou dos galões” e desferiu um ataque cirúrgico para derramar o champanhe da Bairrada no lugar mais alto do pódio, quer na classe GT, como à geral, por 4,2 segundos de vantagem. A terceira posição ficou entregue a Pedro Silva e Alexandre Rodrigues, em Porsche 997 GT3, mas a 1m18s da dupla vencedora.

Quanto ao Campeonato Centro de Ralis, a vitória sorriu de feição a André Cabeças e Ilberino (Bino) Santos. A dupla do Mitsubishi Mirage Evo, que o ano passado logrou o triunfo na prova extra do Rali da Bairrada em Citroën DS3 R5, suplantou com autoridade e mestria as adversidades e os adversários circunstanciais, com o tempo total de 36m05,8s.

Quarto à geral, André Cabeças e Bino Santos foi cavando um fosso apreciável para os segundos classificados, nomeadamente Ernesto Cunha e Rui Raimundo, em Subaru Impreza STI, a 55,9 segundos, enquanto José Gomes e Bruno Pedrosa, aos comandos de um Renault Clio R3, subiram ao lugar mais baixo do pódio, a 1m15,s da liderança.

Impressionante foi a prestação de Pedro Silva e Nuno Rodrigues da Silva. O piloto de Vila Velha de Ródão “domou” os cavalos do Peugeot 208 VTI R2B para rubricar uma prova sem mácula e garantir um excelente quarto lugar final, a 1m37,3s dos vencedores, relegando para a quinta posição a dupla Raul Aguiar e Pedro Pereira.

Luís Mota do Cartaxo saboreou o néctar da Bairrada nos “Clássicos”


Aos comandos de um Mitsubishi Lancer Evo VIII, a formação do Buçaco sentiu alguns contratempos ao longo do Rali da Bairrada, embora demonstrasse grande à vontade durante a prova, perante equipas bastante homogéneas experientes que também pretendiam mostrar serviço no asfalto das estradas do concelho de Vagos.

Nos Clássicos, Luís Mota repetiu o sucesso do ano passado. Ao volante de um Mitsubishi Lancer Evo VI, o piloto do Cartaxo, que faz equipa com Alexandre Ramos, entregou-se de “alma e coração” para saborear o néctar da Bairrada no lugar mais alto do pódio, com o tempo de 36m06,5s, deixando excelentes indicações para “tomar” de assalto o Campeonato de Portugal da especialidade.

Numa prova em que a dupla anfitriã Nuno Mateus e Paulo Pimentel, em Mitsubishi Lancer Evo VI, ficou pelo caminho na primeira passagem por Vagos/ZIV com uma avaria na viatura da marca japonesa dos três diamantes, Nuno Carreira e Danny Carreira, em Subaru Impreza WRX STI, ascendeu ao lugar intermédio do pódio, a 34,8 segundos de Luís Mota.

Por seu turno, João Vinha, navegado por Cristiano Queiroga, conduziu o Mitsubishi Lancer Evo VI ao terceiro lugar, a 1m11,3s do vencedor, seguido de João Pedro Martins e Roberto Santos (Mitsubishi Lancer Evo IV) e Henrique Silva e Pedro Ré (Mitsubishi Lancer Evo V) a 2m13,6s e 3m02,0s, na quarta e quinta posição, respetivamente.

O Rali da Bairrada, marcado por dois aparatosos acidentes – o primeiro por Pedro Santos e Hugo Vieira (Peugeot 206 RC), que embateu contra um poste de eletricidade na primeira passagem pela especial de Boco e, o segundo, por Fábio Santos e Ricardo Sismeiro (Citroën Saxo), motivado por uma saída de estrada na primeira passagem por Vagos/ZIV –, contemplou ainda Pedro Silva e Nuno Rodrigues da Silva (Peugeot 208 VTI R2B) e Viana Martins e Gonçalo Palmeira (Renault Clio 3 RS) com os triunfos no Kumho 1 e Kumho 2, respetivamente.

Refira-se, por último, que o Clube Automóvel do Centro prestou uma justa homenagem a Claudino Manuel Carneiro Pinto Romeiro, conhecido por Ni Romeiro no mundo do Motorsport e dos ralis em particular, presidia o Conselho de Comissários da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK). O dirigente da estrutura federativa morreu a 25 de Outubro, aos 69 anos, por complicações devido à Covid-19, após ter ficado internado durante dois dias na unidade hospitalar dos Covões, em Coimbra. O tributo ocorreu durante a cerimónia da entrega de prémios do Rali da Bairrada, em Vagos.

autonews.pt @ 1-6-2021 14:42:55


Clique aqui para ver mais sobre: Desporto, Formula 1, Ralis, Pista, TT