Livre trânsito: Um português na Fórmula E

Nos bastidores com Rui Alves

Chama-se Rui Alves e na Formula E é um dos portugueses que desempenha um papel de extrema importância, nos bastidores da ABB FIA de Fórmula E, como engenheiro de estratégia da Audi Sport Abt Schaeffler, uma das 11 equipas que vai disputar a 5ª temporada desta competição que se inicia em Dezembro.

autonews.pt @ 14-9-2018 18:50:35

Fica aqui o essencial editorial da entrevista onde Rui Alves se deu a conhecer melhor aos entusiastas desta competição de carros de corrida totalmente elétricos.

Qual é o teu trabalho nesta equipa?

O meu principal papel na Audi Sport Abt Schaeffler é o de engenheiro de estratégia. Assim, toda a estratégia, todos os estudos pré-corrida do que poderia acontecer, quais são as situações mais prováveis de se desenrolar na corrida e o que fazer quando algo acontece, tudo isto são atribuições da minha função. Estudo todas as opções para ver o que podemos fazer para subir na grelha de partida ou manter uma boa posição.

Adicionalmente, também faço a preparação de tecnologias de informação para a equipa. Todas as configurações de rede e preparação de todas as ferramentas que são usadas pela equipa na avaliação da performance do carro em cada dia da competição.

O que te inspirou e quando é que soubeste que querias trabalhar em corridas de competição automobilística?

Do que me recordo desde os primeiros dias em que assistia às corridas de Fórmula Um com meus pais - seguindo Ayrton Senna e todas as suas conquistas. A minha paixão cresceu realmente a partir daí. Recordo-me quando eu era mais novo, o meu jogo de PC favorito era o GP2. Passava muitas horas a olhar para o ecrã. Joguei campeonatos completos... tinha o tempo necessário naquela altura! Quando comecei a olhar para os dados de corrida e carros o meu envolvimento foi ainda maior. Acho que foi quando percebi que gostava muito de fazer isto como carreira.


Como é que chegas ao automobilismo?

Com disse o meu gosto pelo automobilismo teve início ainda quando era criança. Mais tarde então decidi que é isso que eu gostaria de fazer quando crescer. Então eu estudei engenharia mecânica e no final do curso, eu já estava tentando me envolver em ser um comissário de pista de corrida no Estoril.

Depois dos meus estudos terminarem, enviei meu currículo para as equipas e acabei por ser chamado... e comecei por limpar pneus. O meu arranque foi como o “tipo de pneus” em Le Mans e partir de certa altura iniciei como engenheiro de carros numa série GT. Mais tarde e com mais experiência acabei por entrar na GP2 e depois de alguns anos nesta competição, cheguei à Fórmula E.

Qual a melhor parte do seu trabalho?

Quando sou o primeiro a passar a linha (de chegada), para mim é o que eu mais gosto neste trabalho!

O campeonato da Fórmula E implica muitas viagens. Do que mais sentes falta quando estás nas corridas?

Num fim de semana de corrida, sinto falta de casa, da minha mulher e dos meus filhos - eles estão no topo das minhas prioridades. Assim um pouco fora da caixa, eu diria que também sinto falta da minha corrida matinal na praia onde moro em Portugal.


Qual é o teu ponto mais alto na carreira até hoje?

O melhor foi a nossa vitória no México, porque foi um desses exemplos que a sua lição de casa valeu a pena. As pessoas dizem que tivemos sorte porque tínhamos a segurança do carro, mas eu estava pronto para este resultado.

Qual é a sua corrida favorita no calendário de Fórmula E?

Bom, eu sou um amante de barcos - eu vivo junto ao mar – o circuito de Mónaco é o meu favorito.

Onde gostarias de ver uma corrida da Fórmula E no futuro?

Pessoalmente, gostaria de ver uma corrida em casa. Em Portugal. Mas eu também adoraria ver uma corrida em Cuba!

Que dicas para quem quer começar uma carreira no automobilismo?

Esteja preparado para horas “longas”. Esteja preparado para fazer longas horas durante a noite e não ter muito sono durante os dias das corridas!

Tenha um forte espírito de equipa. No final do dia, todos têm que se esforçar, mas sempre em grupo.

Todos nós temos o nosso papel importante: seja limpando pneus, montando o carro, trocando peças ou arrumando a garagem – quando todos estiverem a dar o seu máximo, então os resultados vão aparecer. Apaixone-se por aquilo que faz. O trabalho será mais recompensador.

Via fiaformulae.com

autonews.pt @ 14-9-2018 18:50:35